IX Jornadas Internacionais de Teatro do Oprimido e Universidade

IX Jornadas Internacionais de Teatro do Oprimido e Universidade

online Este é um evento online

O evento já encerrou

Separamos alguns eventos que você irá gostar

Evento online

11º Seminário de Pesquisas em Andamento (SPA 2022)

5 de Setembro de 2022
Evento online

VII Encontro Nacional do GT Pedagogia das Artes Cênicas

27 de Agosto de 2022

XVIII Brazilian Congress of Plant Physiology and I Ibero-latinoamerican Congress of Plant Biology

6 de Setembro de 2022
Porto Alegre
Evento online

11º Congresso de Geriatria e Gerontologia do Estado do Rio de Janeiro - GeriatRio 2022

17 de Outubro de 2022

Sobre o evento

Neste ano de 2021, as IX Jornadas Internacionais de Teatro do Oprimido (JITOU) tem como eixo central as “Pedagogias do sul na (re)construção das práticas de liberdade: esperançar, recriar e (re)exitir”. A temática surge diante da onda neoconservadora atual e da retomada de discursos e práticas de extermínio em massa que evocam as práticas e pensamentos nazifascistas, o que tem culminado no trágico número de mais de 500 mil mortos no Brasil, em um momento mundial de crises econômica, política, ambiental, sanitária. No entanto, resgatando o ideograma chinês destacado na metodologia do Teatro do Oprimido, a crise nos remete, ao mesmo tempo, a perigos e a oportunidades. Por isso, é a partir da celebração do centenário de Paulo Freire e dos 90 anos de Augusto Boal que apresentamos por meio desse programa-manifesto nosso projeto de sociedade enquanto um exercício de prática de liberdade.

O projeto de retomar as “Pedagogias do sul”, herdeiras dos movimentos de libertação da América Latina e das Áfricas e afrodiásporas do jugo colonialista e imperialista europeu e estadunidense, nos coloca o desafio de articular os saberes e práticas do Teatro do Oprimido às lutas dos indígenas, das mulheres, de pessoas LGBTQUIAP+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais, Travestis, Queers, Intersexuais, Assexuais, Pansexuais e outres mais), do povo preto, dos quilombos, do campo, das favelas, dos guetos e das periferias por sobrevivência, por justiça social, por terra, por soberania alimentar, por moradia, por educação, por liberdade, por “vacina no braço e comida no prato”, ...

Os saberes e práticas do sul expressam formas históricas de esperançar, recriar e (re)existir, presentes no pensamento de pessoas como Abdias do Nascimento, Amadou Hampaté Bâ, Amir Haddad, Augusto Boal, Bárbara Santos, Boaventura de Souza Santos, Cheik Anta Diop, Jorge Larrosa Bondía, Lélia González, Mário de Andrade, Paulo Freire, Rubem Alves, entre tantas/os/es outras/os/es, bem como presentes na “afrocentricidade”, “indianidade”, “ciganidade”, pedagogia das rodas de danças populares, rodas de capoeira, “brincantorias”, pedagogia das encruzilhadas, pedagogia das erveiras, rezadeiras, cantadores, congadas, reizadas, congos, jongos, cocos, cacuriás, carnavais de rua, rodas de samba, frevo, cheganças, cortejos populares.

Reabrimos aqui neste encontro a agenda modernista, levando em conta que os povos que foram subjugados nos processos coloniais, também devoraram muitos dos ditames colonialistas com criatividade popular, com a celebração de corpos movimentados por saberes sensíveis. Pelas “planícies de conhecimento sensível”, como expressou Augusto Boal na conjectura de uma Estética dos Oprimidos, das Oprimidas e des Oprimides, estes povos realizam o trânsito entre o pensamento simbólico e o pensamento sensível, expressando diferentes estéticas unidas pelas formas de resistência social construídas desde baixo pelas lutas dos movimentos sociais.

Neste momento de frontal ataque aos povos indígenas com o Projeto de Lei nº 490/2021 que busca legalizar as invasões em territórios indígenas, as pedagogias do sul nos convoca a nos movimentar, sobretudo, pelos saberes dos territórios, tratando o local e o global em relação dialética e dialógica. Afinal, o diálogo é o antídoto freiriano e boalino para os monólogos na sociedade, sempre castradores, intransitivos, opressores. É a partir dos diálogos de saberes e práticas do sul global contra as monoculturas do pensamento único, que poderemos traçar a ecologia dos saberes, tal qual nos anuncia Boaventura de Souza Santos.

Nesse caminho, o caminhante Paulo Freire já nos alertava para o termo esperançar: verbo que remete ao legado das pedagogias do sul na construção de saberes plurais para projetar os inéditos viáveis, o que implica recriar e (re)existir. As JITOU 2021 têm o prazer e a alegria de convidar a todas/os/es a unir forças (ainda que de forma remota neste momento de pandemia) para juntes/as/os esperançar, recriar e (re)existir.


Comissão Organizadora das IX JITOU


Acompanhar as nossas redes sociais:

https://web.facebook.com/gesto.teatrodooprimido

https://www.instagram.com/gestoteatrodooprimido/

https://www.youtube.com/c/GESTOGrupodeEstudosemTeatrodoOprimido/

Inscrições

{{item.titulo}}

{{'Label_DoacaoAPartir' | translate}} {{item.valores[0].valor | currency:viewModel.evento.moeda}}

{{item.descricao}}
{{'Titulo_Gratis' |translate}} {{viewModel.configuracaoInscricaoEvento.descricaoEntradaGratis}}
{{entrada.valor | currency:viewModel.evento.moeda}}
{{'Titulo_Ate' | translate}} {{entrada.validoAte |date: viewModel.evento.cultura.formatoData}}
{{'Titulo_Ate' | translate}} {{entrada.validoAte |date: viewModel.evento.cultura.formatoData}}
{{'Label_APartirDe' | translate}} {{entrada.validoDe | date:viewModel.evento.cultura.formatoData}}
Calendar

{{'Titulo_NaoDisponivel' | translate}}

Atividades

{{item.titulo}}
{{item.horaInicio}}-{{item.horaFim}}
Calendar

Palestrantes

{{item.nome}}



Submissões

{{areaSiteEvento.jsonObj.configuracaoSubmissao.dataInicioSubmissao}} - {{areaSiteEvento.jsonObj.configuracaoSubmissao.dataLimiteSubmissao}}

{{item.denominacao}}
{{item.denominacao}}
{{item.denominacao}}

{{areaSiteEvento.titulo}}

SOLICITAÇÕES DE ISENÇÕES

QUEM TEM DIREITO A ISENÇÃO 

  1. Realizadores (estudantes UNIRIO e estudantes UFBA ou mesmo algum professor/a que solicite e integrantes do CTO): direito a 100% de isenção.

  2. Parceiros (estudantes das instituições listadas em anexo): direito a 50% de isenção

  3. Público em geral (integrantes de movimentos populares, como MST, MSTB): direito a 100% de isenção. 

QUALQUER ISENÇÃO SÓ SERÁ DADA MEDIANTE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ABAIXO:

Pedidos de isenção para estudantes da UFBA e UNIRIO

https://forms.gle/ErPiQanpmT6zn2nw7

Pedidos de isenção para estudantes de instituições parceiras

https://forms.gle/V6Ap5Spwn5jPHXB58

Pedidos de isenção para público geral

https://forms.gle/8o87LWXQyiUPgjPd9


{{viewModel.evento.titulo}}

{{viewModel.evento.responsavelEvento}}