II Conferência Internacional de Estudos Queer - ConQueer

II Conferência Internacional de Estudos Queer - ConQueer

presencial Universidade Federal de Sergipe - Auditório da Didática VII - São Cristóvão - Sergipe - Brasil

O evento já encerrou

Separamos alguns eventos que você irá gostar

20º Congresso Brasileiro de Bioinformática: X-Meeting 2024

Terça-Feira, 11 de Junho

Salvador, BA

Evento online

III Fórum Online de Educação, Meio Ambiente e Sustentabilidade

Quarta-Feira, 8 de Maio

1º Congresso Multidisciplinar de Saúde e Bem-Estar

Quarta-Feira, 28 de Agosto

São Luís, MA

XX Congresso Brasileiro de Nefrologia Pediatrica

Quarta-Feira, 1 de Maio

Cuiabá, MT

{{'Receba_os_melhores_eventos_da_sua_area' | translate}}

{{'Receber_eventos' | translate}}

APRESENTAÇÃO

A II CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ESTUDOS QUEER - ConQueer, é um convite à feitura coletiva de um espaço de trocas e produções de conhecimentos que se alinhem às várias dimensões e perspectivas das epistemologias feministas queer. O evento pretende reunir estudantes, docentes, ativistas, artistas e quaisquer pessoas interessadas em pensar e produzir uma academia que seja mais pluriversal, cuir e anticolonial. 

O tema escolhido para esta edição, Poéticas cuir, traduz nosso desejo pelos deslocamentos, por fazermos das fronteiras territórios de criação e produção de narrativas múltiplas, poéticas e sensíveis. Em busca de inspirações teórico-prático-metodológicas que reafirmem nosso compromisso com uma comunidade acadêmica crítica às normalizações, naturalizações, essencializações, monoculturas e binarismos acerca das dissidências de gêneros e sexuais, apostamos na força da intersecção entre arte, ativismo e produção acadêmica. 

As reflexões que se pretende desenvolver serão extremamente relevantes, pois figuram como sintomáticas de mudanças importantes no campo acadêmico, traduzem um processo latente de transformação na agenda de pesquisa nos vários campos do saber em que se situam xs autorxs, inaugurando, assim, novos caminhos de natureza metodológica, perceptíveis, por exemplo, no modo de construir perguntas de pesquisa e nas mudanças epistemológicas.  São considerações que deixam entrever a existência de outras maneiras de apreender a realidade que se transforma todos os dias.

Nos dias 6, 7 e 8 de dezembro de 2022 a Universidade Federal de Sergipe e o Instituto Federal de Sergipe convidam todes para esse momento de trocas e construção coletiva e afetiva de conhecimentos.

INSCRIÇÕES

{{'Label_CodigoPromocionalAplicadoComSucesso' | translate}}
{{'Label_Presencial' | translate}} {{'Label_Online' | translate}} {{'Label_PresencialEOnline' | translate}}

{{item.titulo}}

{{'Label_DoacaoAPartir' | translate}} {{item.valores[0].valor | currency:viewModel.evento.moeda}}

{{item.descricao}}
{{'Titulo_Gratis' |translate}} {{viewModel.configuracaoInscricaoEvento.descricaoEntradaGratis}}
{{entrada.valor | currency:viewModel.evento.moeda}} {{entrada.valor | currency:viewModel.evento.moeda}}  

{{entrada.valorComDesconto | currency:viewModel.evento.moeda}}

{{'Titulo_Ate' | translate}} {{entrada.validoAte |date: viewModel.evento.cultura.formatoData}}
{{'Titulo_Ate' | translate}} {{entrada.validoAte |date: viewModel.evento.cultura.formatoData}}
{{'Label_APartirDe' | translate}} {{entrada.validoDe | date:viewModel.evento.cultura.formatoData}}
Calendar

{{'Titulo_NaoDisponivel' | translate}}

COORDENAÇÃO E EMENTA DOS GT'S

GT01 - “Línguas selvagens”: artivismos e insurgências feministas/queer nas linguagens do agora


Coordenação:  

Késia dos Anjos Rocha (PPGED – UFS) - Email: kesiaanjos@gmail.com

Danillo da Conceição Pereira Silva (IFAL) - Email:  danillosh@gmail.com


Ementa“Eu não vou mais sentir vergonha de existir. Eu vou ter minha voz: indígena, espanhola, branca. Eu vou ter minha língua de serpente – minha voz de mulher, minha voz sexual, minha voz de poeta. Eu vou superar a tradição do silêncio, foi assim que Glória Anzaldúa (2009, p. 312) escreveu seu desejo de usar a língua para falar sendo e para ser falando, contra toda forma de silenciamento. O tempo do agora na América Latina tem sido marcado por políticas de silêncio neoconservadoras e neoliberais, que não aceitam línguas em movimento, selvagens, críticas, desconstrutivistas, pois trabalham pela reprodução de padrões sociais normativos e seus modelos essencialistas de línguas, sujeites, subjetividades e modos de vidas. Inspirades no pensamento de Anzaldúa, esse grupo de trabalho é um convite à ruptura de silêncios, pois temos como foco reunir pessoas acadêmicas, ativistas e/ou artistas que desejem falar sobre a intersecção entre linguagens, artes, escritas contra-hegemônicas, educação, epistemologias feministas e queer. Nos interessa a criação de um espaço de trocas que compreende vida, pesquisa, afetos e produção de conhecimentos como experiências imbricadas. Por isso, acolheremos apresentações em todas as suas formas, sejam elas faladas, lidas, narradas, dançadas, cantadas, poetizadas, ou seja, o corpo em todas as suas possibilidade de falar e fazer falar. São bem-vindas propostas que se ancorem nas insurgências e problematizações de intelectuais feministas e das dissidências sexuais e de gênero, em suas interseccionalidades com outros vetores de poder e agenciamento, tais como raça, classe, geração, corporeidades plurais e afins. Trabalhos inter/trans/multi/indisciplinares são também convidados a provocar tensionamentos em imaginários coloniais sobre pureza epistêmica e produção disciplinar do conhecimento, visibilizando falares, pensares, sentires, saberes e fazeres fronteiriços, tal como línguas selvagens.



GT02 - Cuirlombo: Território Artivista


Coordenação: 

Dayanna Louise Leandro dos Santos (PPGED – UFS) - Email: dayanna.louise@academico.ufs.br  

Odailta Alves da Silva (PPGL - UFPE) - Email: odailta@yahoo.com.br


Ementa: Grande parte do repertório cultural que nos é transmitido tem sua construção alicerçada no apagamento de outras histórias, assim como na exclusão de determinadas cores, sons, cheiros, passos, traços e olhares. A proposta deste grupo de trabalho é acuirlombar experiências no campo das artes (música, dança, pintura, teatro, literatura, cinema, fotografia, história em quadrinhos), sendo estas capazes de provocar rachaduras no “discurso universal” ao acionar outras formas de saber-fazer. Nomeamos esse movimento de acuirlombamento por reconhecê-lo enquanto território de diálogos, afetos e saberes demarcados pela coragem e ousadia na construção de alternativas em tempos tão tenebrosos. Para compor esse paranauê epistemológico, serão aceitas pesquisas, relatos pedagógicos e/ou intervenções artísticas articuladas a contracorrente, ou seja, trabalhos que estejam voltados a problematizar, desafiar e transcender a hegemonia disciplinar branca, cisheteronormativa e colonial, apresentando e festejando a construção de outras narrativas. Nesta roda, são bem-vindas produções que estabelecem diálogo entre arte, gênero e sexualidades articulados com outros marcadores sociais da diferença (padrões corporais, território, classe, geração, raça e etnia, deficiência).



GT03 - Teoria queer e decolonialidade: Educação, performances e corporeidades


Coordenação:

Pedro Paulo Souza Rios (UEFS) - Email: ppsrios@uefs.br

Michel Silva Guimarães (UNEB) - Email: msguimaraes@uneb.br

Carlos Alberto Ferreira da Silva (UFAC) - Email: carlosferreira1202@gmail.com

Edonilce da Rocha Barros (UNEB) - Email: ebarros@uneb.br

Filipe Dias dos Santos Silva (UNEB) - Email: fdsilva@uneb.br


EmentaO GT tem por objeto problematizar práticas educativas, normativas e performativas dos corpos no contexto de gênero, feminismos e sexualidades nos espaços escolares e não escolares, a partir dos pressupostos teóricos queer e decolonial.



GT04 - Ontografias poéticas: A potencialidade da poesia de autoria trans


Coordenação:

Manuela Rodrigues Santos (IFS/UnB) - Email: manurodrigues2512@gmail.com


Ementa: A poesia de autoria trans articula corpo, voz e poesia por meio do imaginário e das vivências transformados, pela via da criação literária, em corpo-texto, capaz de construir lugares outros possíveis frente ao impossível da colonialidade. Pretende-se, portanto, examinar como a poesia de autoria trans vem construindo espaços de existência e resistência, pois, como defende Audre Lorde (2019, p. 47), “a poesia não é apenas sonho ou imaginação, ela é o esqueleto que estrutura a nossa vida. Ela estabelece os alicerces para um futuro de mudanças. A poesia cria a linguagem para expressar e registrar essa demanda revolucionária, a implementação da liberdade”. Assim, a ideia central é abrir espaço para o diálogo entre pesquisadores que vêm pensando a poesia de autoria trans e suas potencialidades frente ao mundo moderno-colonial cisheteropatriarcal que nos foi dado a conhecer.

 

 

GT05 - Investigações-vidas: Memórias, escrevivências, artivismos e poéticas Cuir


Coordenação:

Alfrancio Ferreira Dias (UFS) - Email: diasalfrancio@academico.ufs.br

Hblynda Morais de Holanda (UPE) - Email: hblyndamorais@gmail.com


Ementa: O GT pretende compor narrativas de pesquisas-vidas que reconhecem a indivisibilidade entre pesquisa e vida, bem como refletir sobre memórias, escrevivência e artivismos de docentes que sensibilizam e (per)(trans)formam na educação superior.

 


GT06 - Identidades e (não)representatividades cuir na Literatura, no Cinema, na Música e na Televisão do Brasil


Coordenação:

Elza Ferreira Santos (IFS) - Email: elza.ferreira@ifs.edu.br

Gilvan da Costa Santana (IFS) - Email: gilvan.costa@ifs.edu.br


Ementa: No Simpósio Temático ora proposto, cabem trabalhos que apresentem e debatam imagens e discursos identitários e representacionais cuir presentes ou silenciados no percurso histórico. Tratar-se-á de pesquisas no âmbito dos estudos cuir com interdisciplinaridade dos Estudos Culturais, da Retórica, da Análise de Discurso e áreas afins, envolvendo arte e cultura, a fim de propiciar reflexões sobre sexualidades e gêneros dissidentes. Implica dizer que o objetivo precípuo é analisar presença ou ausência de discursos contra hegemônicos e decoloniais, isto é, transgressores da heteronormatividade nos saberes e poderes estéticos como expressão de subjetividades e corpos. Em resumo, interessa no GT questionar e discutir a (não)relação da produção artística e comunicacional no Brasil com as identidades interseccionais, fluidas e múltiplas cuir.



GT07 - Gênero, Sexualidade e Educação em Composições Queer


Coordenação:

Anderson Ferrari (UFJF) – Email: anderson.ferrari@ufjf.br

Danilo Araujo de Oliveira (UFMA) – Email: oliveira.danilo@ufma.br

Marcos Lopes de Souza (UESB) – Email: markuslopessouza@gmail.com

Paula Regina Costa Ribeiro (FURG) – Email: pribeiro.furg@gmail.com

 

Ementa:

Quais composições queer podemos fazer com gênero e sexualidade para problematizar a vida, os prazeres, os desejos e expandir as nossas potências? A partir dessa pergunta-provocação queremos convidar pesquisadoras/es para apresentar seus trabalhos e com a gente fazer composições queer com gênero, sexualidade e educação para explorar e discutir processos de subjetivação, as relações com educação e com as culturas a fim de tensionar as normatizações e seus efeitos em nossos corpos, tempos e espaços no presente.




SUBMISSÕES

{{areaSiteEvento.jsonObj.configuracaoSubmissao.dataInicioSubmissao}} - {{areaSiteEvento.jsonObj.configuracaoSubmissao.dataLimiteSubmissao}}

{{item.denominacao}}
{{item.denominacao}}
{{item.denominacao}}

{{areaSiteEvento.titulo}}

PROGRAMAÇÃO

{{item.titulo}}
{{item.horaInicio}}-{{item.horaFim}}
Calendar

PALESTRANTES

{{item.nome}}

{{item.nome}}



EQUIPE ORGANIZADORA

   Alfrancio Ferreira Dias                          Elza Ferreira Santos


   Valeria Maria Santana Oliveira          Késia dos Anjos Rocha


   Sergio Lima dos Santos                        Gilvan da Costa Santana


  André Ricardo Lucas Vieira                   Dayanna Louise Leandro dos Santos


  Jonas Karlos de Souza Feitoza

Local do Evento

{{viewModel.evento.titulo}}

{{viewModel.evento.responsavelEvento}}