ANÁLISE DA MORTALIDADE POR SEPTICEMIA NAS REGIÕES BRASILEIRAS DE 2015 A 2020

Publicado em 10/03/2023 - ISBN: 978-85-5722-648-7

Título do Trabalho
ANÁLISE DA MORTALIDADE POR SEPTICEMIA NAS REGIÕES BRASILEIRAS DE 2015 A 2020
Autores
  • Kimberlly Aparecida De Sousa Ferreira
  • Loren Dias Braga Barroso
  • Ana Valéria Cibulski
  • Fabiano Rodrigues Maximino
Modalidade
Resumo simples
Área temática
UTI
Data de Publicação
10/03/2023
País da Publicação
Brasil
Idioma da Publicação
Português
Página do Trabalho
https://www.even3.com.br/anais/ii-congresso-nacional-de-trauma-e-medicina-de-emergencia-293952/611957-analise-da-mortalidade-por-septicemia-nas-regioes-brasileiras-de-2015-a-2020
ISBN
978-85-5722-648-7
Palavras-Chave
Sepse, Óbitos, Cuidados intensivos.
Resumo
Introdução: A septicemia é uma causa importante de hospitalização e a principal causa de morte em unidades de terapia intensiva (UTI) no Brasil. Na sepse, ao invés de uma infecção local causar uma inflamação local, há uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, o que a configura como uma emergência dentro do ambiente hospitalar. Nesse sentido, essa patologia é a principal causa de morte por infecção em todo o mundo, apesar dos avanços da medicina moderna, como vacinas, antibióticos e cuidados intensivos. Por isso, há a necessidade de identificação rápida do quadro clínico e de intervenção imediata, além de um protocolo estabelecido nas unidades de saúde para o atendimento a esses pacientes. Objetivo: Analisar o número de mortes devido à septicemia no Brasil e nas macrorregiões brasileiras, no período de 2015 a 2020. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa quantitativa. Os dados foram obtidos por meio da ferramenta de tabulação de dados tabnet, acessível no site do DATASUS. As informações contidas nesse estudo são referentes aos óbitos por septicemia na rede hospitalar no Sistema Único de Saúde (SUS) por local de internação, por região e por ano de atendimento no período de 2015 a 2020. Resultados: Segundo o Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS), do Ministério da Saúde, entre 2015 e 2020, foram registradas, no Brasil, 329.968 mortes por septicemia. O número absoluto de mortes teve aumento gradual de 2015 até 2019, em que atingiu o pico de 62.958. Em 2020, ano em que a pandemia de COVID-19 chegou ao Brasil, houve uma queda de aproximadamente 20,9% com relação ao ano anterior. Considerando os dados demográficos da população brasileira segundo o IBGE de 2022, o Brasil teve 158,83 mortes a cada 100 mil habitantes por septicemia durante o intervalo de tempo analisado, e as regiões com maiores índices de mortes por septicemia a cada 100 mil habitantes foram: Sudeste, com 205,64; Sul, com 171,44; e Nordeste, com 117,82. Conclusões: Conclui-se que a sepse no Brasil é um importante problema de saúde pública, fato evidenciado pela sua altíssima mortalidade. Ressalta-se a importância da aplicação de protocolos de identificação do quadro de maneira precoce, para evitar falhas no processo diagnóstico, reduzindo o número de mortes. Há também necessidade de mais estudos sobre o impacto da COVID-19 nos dados acerca da mortalidade por septicemia.
Título do Evento
II Congresso Nacional de Trauma e Medicina de Emergência
Título dos Anais do Evento
Anais do II Congresso Nacional de Trauma e Medicina de Emergência
Nome da Editora
Even3
Meio de Divulgação
Meio Digital
DOI
LinkObter o DOI

Como citar

FERREIRA, Kimberlly Aparecida De Sousa et al.. ANÁLISE DA MORTALIDADE POR SEPTICEMIA NAS REGIÕES BRASILEIRAS DE 2015 A 2020.. In: Anais do II Congresso Nacional de Trauma e Medicina de Emergência. Anais...Manaus(AM) Manaus, 2023. Disponível em: https//www.even3.com.br/anais/ii-congresso-nacional-de-trauma-e-medicina-de-emergencia-293952/611957-ANALISE-DA-MORTALIDADE-POR-SEPTICEMIA-NAS-REGIOES-BRASILEIRAS-DE-2015-A-2020. Acesso em: 12/06/2024

Trabalho

Even3 Publicacoes