{{viewModel.configuracaoAnais.tituloAnais}}

{{viewModel.configuracaoAnais.localAnais}}








Aguardando geração dos anais

- Nenhum trabalho disponível -
{{item.tituloProjeto}} {{casearNomePessoal(item.autores)}}


{{viewModel.configuracaoAnais.tituloAnais}}


Apresentação

O II Seminário Internacional - Desafios da educação pós pandemia: impactos da quarentena no currículo e cultura digital foi realizado esse ano virtualmente em função do distanciamento social exigido pela Pandemia provocada pela COVID19.

Foi um ano atípico para todos nós. Para as escolas e docentes, foi um período desafiador e de muita aprendizagem. Para os alunos, foi um período de dúvidas, lutas e, de igual modo, muitas aprendizagens. 

Diante de tudo isso, não poderíamos deixar, como grupo de pesquisa da área de Educação, de nos debruçarmos sobre essa temática. 

Assim, realizamos nesse ano uma pesquisa junto aos alunos de Ensino Superior de todo o Brasil para conhecermos as percepções deles sobre o ensino remoto, sobre seus processos de aprendizagem nesse momento e sobre as expectativas futuras que têm do impacto que essa vivência terá na instituição de ensino. Para isso, fizemos um levantamento de campo no modelo Survey, que de acordo com Gil em seu livro Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (2019), gera informações para pesquisas mais descritivas e para conhecer o comportamento das pessoas de um modo específico e direto. 

Os dados da pesquisa nos mobilizaram a escolhermos a mesma temática para o Seminário, motivando a reflexão de alunos de mestrado e doutorado e docentes-pesquisadores sobre suas aprendizagens, bem como os desafios que teremos ao pensar a escola pós-pandemia. 

Esses desafios perpassam desde o uso das tecnologias digitais e virtuais para o ensino até uma séria reflexão sobre que “arquivos” desejamos levar para os nossos alunos. Que conteúdos são essenciais para formarmos pessoas integralmente? Que conceitos e que valores desenvolveremos com os alunos? Como nos comunicaremos com esses alunos? Que linguagens serão demandadas para que haja uma comunicação que eduque verdadeiramente? Como esses alunos aprendem? Fala-se em hibridismo veio para ficar. Mas de que forma? Com que objetivos e que intencionalidades? Trabalhar numa perspectiva híbrida significa renunciar ao encontro presencial com os alunos? Podemos usar a tecnologia digital para trabalharmos coletivamente na presencialidade? 

Muitas perguntas têm sido levantadas. São as perguntas que nos mobilizam a buscar respostas. Respostas estas que poderão ser encontradas nas produções científicas, culturais e artísticas do passado, tanto quanto no exame das possibilidades para o futuro.  Nossa obrigação, como pesquisadores da área de Educação e como professores, é com nossos alunos e com o seu pleno desenvolvimento intelectual e moral, preparando-os para o usufruírem de uma vida digna, de trabalho e de convivência. Os métodos, as formas, os recursos e os conteúdos deverão sempre ser os de melhor qualidade e inseridos de modo intencional em nossas práticas e ações. Em um mundo com a pluralidade de valores, ideias, teorias e concepções ideológicas, é obrigação da escola e do professor equipar o aluno para que possa ser autônomo em suas ideias de modo fundamentado.

Nos resumos expandidos desses Anais, o leitor encontrará relatos de pesquisas e estudos de diferentes lugares e instituições no Brasil. Ressaltamos que as opiniões e conclusões emitidas nos diversos trabalhos são de responsabilidade de seus autores exclusivamente.





Periodicidade da publicação
{{viewModel.denominacaoPeriodicidade}}
Idioma(s)
Português
Editor
Even3 - R. Sen. José Henrique, 231 - Sala 509 - Ilha do Leite, Recife - PE



Periodicidade da publicação
{{viewModel.denominacaoPeriodicidade}}
Idioma(s)
Português
Editor
Even3 - R. Sen. José Henrique, 231 - Sala 509 - Ilha do Leite, Recife - PE
{{item.denominacao}}

Responsável


Não existem edições anteriores