AVALIAÇÃO DA TAXA DE INFESTAÇÃO DO ÁCARO VARROA DESTRUCTOR EM CRIAS DE OPERÁRIAS DE ABELHAS AFRICANIZADAS (APIS MELLIFERA L.) NO CRATO, CARIRI CEARENSE, NORDESTE DO BRASIL

Publicado em - ISBN: 978-85-5722-747-7

Título do Trabalho
AVALIAÇÃO DA TAXA DE INFESTAÇÃO DO ÁCARO VARROA DESTRUCTOR EM CRIAS DE OPERÁRIAS DE ABELHAS AFRICANIZADAS (APIS MELLIFERA L.) NO CRATO, CARIRI CEARENSE, NORDESTE DO BRASIL
Autores
  • Laiane Ferreira de Almeida Lima
  • Nayane de Sousa Almeida
  • Antônia Tanna Farias da Cruz
  • Francisco Antonio de Carvalho Porto
Modalidade
Resumo
Área temática
Apicultura
País da Publicação
Brasil
Idioma da Publicação
Português
Página do Trabalho
https://www.even3.com.br/anais/entomozootec-288971/608891-avaliacao-da-taxa-de-infestacao-do-acaro-varroa-destructor-em-crias-de-operarias-de-abelhas-africanizadas-(apis-m
ISBN
978-85-5722-747-7
Palavras-Chave
Apicultura, Manejo, Sanidade, Varroase
Resumo
O ácaro Varroa destructor Anderson & Trueman (Mesostigmata: Varroidae), é um ectoparasita que utiliza as células de crias de operárias e zangões para iniciar a fase de reprodução. Inicialmente, um ácaro fêmea, denominada de fundadora, invade a célula de cria antes da operculação, após a invasão celular, a fêmea fundadora mantém-se imóvel no alimento larval até a operculação da célula, em seguida, a fêmea deposita seus ovos (haploides e diploides) na parede celular das crias. A prole depositada passará por diferentes fases de desenvolvimento: ovo, protoninfa, deutoninfa, fêmea jovem e fêmea adulta. A fêmea fundadora e sua prole emergem quando a abelha operária completa seu ciclo de desenvolvimento. Atualmente, o ácaro V. destructor é apontado como um dos responsáveis pelo declínio da produção apícola e o desaparecimento das abelhas. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a taxa de infestação do ácaro V. destructor em crias de operárias de abelhas Apis mellifera L. africanizadas em apiários localizados no Crato/CE. A pesquisa foi conduzida no mês de maio e junho de 2022 em dois apiários (Ap1 e Ap2). Foram selecionadas aleatoriamente sete colmeias em cada apiário, e realizadas três coletas com intervalo de 15 a 20 dias. A taxa de infestação foi obtida por meio da seleção de um quadro com pupas com idade entre 14º a 19º dias de desenvolvimento. Posteriormente, uma área do favo com dimensões de 6x6 cm foi delimitada e recortada, cada amostra foi coletada em recipientes de plástico e encaminhadas para as análises. Com ajuda de uma pinça anatômica 100 alvéolos (50 em cada face do recorte do favo) foram desoperculados e as pupas removidas. Em seguida, com auxílio de um microscópio digital USB (50X -500X) foi avaliada a presença de ácaros. A taxa de infestação foi calculada pelo número de ácaros encontrados dividido pelo número de crias de operárias analisadas, multiplicado por cem. Averiguou-se a presença do ácaro V. destructor nos dois apiários, a taxa de infestação variou entre os apiários. A taxa obtida no Ap1 foi 27,49% (min.0% e máx.91%), enquanto que o Ap2 obteve 1,14% (min. 0% e máx.9,0%). A variação dos resultados pode ser atribuída a capacidade reprodutiva do ácaro, os mecanismos de defesa das abelhas entre outros. Conclui-se que em ambos os apiários foi verificada infestação pelo ácaro V. destructor em crias de operárias, sendo indicado monitorar as colmeias e realizar manejo adequado.
Título do Evento
Entomozootec
Título dos Anais do Evento
Anais do I Congresso Nordestino de Entomologia Aplicada à Zootecnia- Entomozootec
Nome da Editora
Even3
Meio de Divulgação
Meio Digital
DOI
LinkObter o DOI

Como citar

LIMA, Laiane Ferreira de Almeida et al.. AVALIAÇÃO DA TAXA DE INFESTAÇÃO DO ÁCARO VARROA DESTRUCTOR EM CRIAS DE OPERÁRIAS DE ABELHAS AFRICANIZADAS (APIS MELLIFERA L.) NO CRATO, CARIRI CEARENSE, NORDESTE DO BRASIL.. In: . Disponível em: https//www.even3.com.br/anais/entomozootec-288971/608891-AVALIACAO-DA-TAXA-DE-INFESTACAO-DO-ACARO-VARROA-DESTRUCTOR-EM-CRIAS-DE-OPERARIAS-DE-ABELHAS-AFRICANIZADAS-(APIS-M. Acesso em: 12/06/2024

Trabalho

Even3 Publicacoes