O SOLAR DO COMENDADOR AGUIAR VALLIM EM BANANAL: SEU ESTADO ATUAL E A NECESSIDADE DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

Publicado em 27/12/2021 - ISSN: 2237-5619

Título do Trabalho
O SOLAR DO COMENDADOR AGUIAR VALLIM EM BANANAL: SEU ESTADO ATUAL E A NECESSIDADE DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Autores
  • Thais Cristina Silva de Souza
  • SOLANGE MOURA LIMA DE ARAGÃO
Modalidade
Resumo
Área temática
Eixo temático 3 – Arquitetura e documentação: a pesquisa na área da história da Arquitetura e do Urbanismo - A pesquisa na área da história da Arquitetura e do Urbanismo; Historiografia e documentação: as fontes documentais e a escrita da História da Arquitetura; O edifício como documento; Biografias: Os arquitetos na História da Arquitetura; Documentação e preservação das técnicas construtivas e da arquitetura vernacular; Poética, cultura, estética: arte, arquitetura, arquivos.
Data de Publicação
27/12/2021
País da Publicação
Brasil
Idioma da Publicação
Português
Página do Trabalho
www.even3.com.br/Anais/arqedoc2021/401174-O-SOLAR-DO-COMENDADOR-AGUIAR-VALLIM-EM-BANANAL--SEU-ESTADO-ATUAL-E-A-NECESSIDADE-DE-MANUTENCAO-PREVENTIVA
ISSN
2237-5619
Palavras-Chave
Solar do Comendador Vallim, restauro, manutenção preventiva.
Resumo
As imagens do Solar do Comendador Aguiar Valim, situado na cidade de Bananal, no Vale do Paraíba, revelam o descaso com obras importantíssimas de nosso patrimônio histórico. O solar é mencionado em relatos de viagem do século XIX, como o de Augusto Emílio Zaluar, que percorreu o Vale do Paraíba na década de 1860, registrando o número de janelas da construção, o emprego de gradil na frente e o primor do acabamento (ZALUAR, 1975, p.44). Suas paredes externas foram erguidas com adobe e taipa de pilão, assentadas sobre embasamento de pedra, enquanto as paredes internas do pavimento superior foram feitas com adobe e taipa francesa (CONDEPHAAT, s.d.) - materiais construtivos característicos desse período. Na obra Quadro da arquitetura no Brasil, ao analisar a difusão do neoclássico nas províncias, que se diferenciou daquele observado em cidades como Rio de Janeiro, Salvador e Recife, pelo emprego de soluções superficiais sobrepostas a “elementos estruturais, sempre grosseiros, construídos de taipa de pilão, adobe ou pau-a-pique”, mas que atendiam às condições e necessidades locais (REIS FILHO, 1970, p.123-4), Nestor Goulart Reis Filho menciona o solar como exemplo da arquitetura desse período com suas portas delineadas em arco pleno (REIS FILHO, 1970, p.126). Fica evidente, portanto, a importância desse Solar no contexto histórico-social de uma época marcada pelo desenvolvimento urbano de vilas e cidades, resultante da riqueza advinda do cultivo do café, que corroborou também para as transformações do gosto, dos costumes e do modo de vida da sociedade brasileira. Prova disso é que, na década de 1970, o Solar foi tombado pelo CONDEPHAAT por constituir “um exemplar urbano típico do modo de vida dos fazendeiros de café do século XIX, que possuíam, além das luxuosas sedes de fazenda, suas mansões nas cidades” (CONDEPHAAT, s.d.). Não obstante, o edifício tem apresentado uma série de patologias, evidenciadas pela ausência de seu forro original no pavimento superior, pela presença de fungos nas superfícies de madeira e cupins no assoalho, além do destacamento da argamassa. Esse estado é alarmante. O solar, como tantos outros edifícios de valor histórico e arquitetônico no Brasil, demonstra a ausência de cuidados com o patrimônio edificado. É significativo de um período da nossa história, de uma cultura, de uma sociedade que enriqueceu com o café e construiu seus palacetes e solares inspirados na arquitetura europeia. Não deveria, portanto, ser uma insígnia do descaso com o nosso patrimônio, mas receber a atenção e cuidados devidos. O objetivo deste trabalho é enfatizar a necessidade da manutenção preventiva para a preservação dos bens patrimoniais no Brasil, tendo como estudo de caso o Solar do Comendador Aguiar Vallim. Traz reflexões sobre as alterações pelas quais o edifício passou ao longo do tempo e sobre sua situação atual. Além disso, demonstra a importância da preservação deste patrimônio e as consequências da falta de manutenção preventiva.
Título do Evento
7º SEMINÁRIO IBERO-AMERICANO ARQUITETURA E DOCUMENTAÇÃO
Título dos Anais do Evento
Anais do 7º Seminário Ibero-americano Arquitetura e Documentação
Nome da Editora
Even3
Meio de Divulgação
Meio Digital
DOI
LinkObter o DOI

Como citar

SOUZA, Thais Cristina Silva de; ARAGÃO, SOLANGE MOURA LIMA DE. O SOLAR DO COMENDADOR AGUIAR VALLIM EM BANANAL: SEU ESTADO ATUAL E A NECESSIDADE DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA.. In: Anais do 7º Seminário Ibero-americano Arquitetura e Documentação. Anais...Belo Horizonte(MG) ON LINE, 7. Disponível em: https//www.even3.com.br/anais/arqedoc2021/401174-O-SOLAR-DO-COMENDADOR-AGUIAR-VALLIM-EM-BANANAL--SEU-ESTADO-ATUAL-E-A-NECESSIDADE-DE-MANUTENCAO-PREVENTIVA. Acesso em: 28/02/2024

Trabalho

Even3 Publicacoes